quinta-feira, 7 de março de 2019

São Tomé - Locais Que Valem A Pena

Durante a nossa estadia fomos comendo em vários locais.
Entre os que valem a pena, para além do já anteriormente referido, destaque para a Casa Museu Almada Negreiros, na Roça da Saudade.
Num alpendre com vista magnífica e desafogada para o verde das copas das árvores, fizemos uma óptima refeição.


À entrada do espaço fica o aviso, nas palavras de Almada Negreiros, que ali nasceu, "A alegria é a coisa mais séria da vida".
Abordando coisas sérias, que é como quem diz alegres, vamos ao menu que por lá fizemos, composto por duas entradas, um prato principal e uma sobremesa. Tudo acompanhado por um sumo natural com as frutas locais.
O início fez-se por um prato composto de diversas propostas, como fruta pão, pepino e búzios, omelete com atum fumado e coentros, chuchu com micócó, uma erva local afrodisíaca.



O momento seguinte foi peixe Andala, da família do espadarte, com beringela, quiabo, cebola, matabala e azeitonas com baunilha.



De seguida, saboreámos, como prato principal, lussua, que se trata de um género de espinafres, banana pão, caril, feito de gengibre, açafrão e manga verde, de peixe (espadarte e atum), arroz de abóbora e erva mosquito.



Terminámos com um bolo de cacau, ou não estivéssemos na terra deste fruto.
O restaurante tem como filosofia apresentar a gastronomia e os ingredientes da terra. Fazem-no de uma forma simples, bonita e simpática. O local é privilegiado, a comida bem confeccionada e o serviço atencioso e cuidado.



Outro local que  deve fazer parte do roteiro gastronómico é o Mionga, em São João dos Angolares, junto ao rio que vai desaguar à praia de Santa Cruz.
O dono é um antigo empregado da Roça São João dos Angolares, um pouco mais acima.
Por ali tudo é simples e saboroso. 
Começámos com sopa de feijão e bolinhos de arroz. De seguida prosseguimos para peixe grelhado acompanhado por arroz, banana pão, chuchu e matabala.



Como sobremesa comemos calda doce de papaia.



No Celvas, em Guadalupe, apesar do preço despropositadamente elevado da refeição que por lá fizemos, destaque para os bolinhos picantes de peixe e para a mousse de sape-sape.




No restaurante do Praia Inhame Eco Lodge, onde passámos uns dias, fizemos várias refeições. Destaque para a salada de polvo e a omelete de micócó.





Destaque ainda para o primor do jantar do dia dos namorados, no qual houve um cuidado especial com o buffet apresentado. Leitão no espeto, peixe, polvo, vários acompanhamentos, frutas, bolos e muitas outras iguarias. Estava tudo óptimo, o que conjugado com a atmosfera local, potenciada pelas mesas no areal, a música ao vivo e a boa disposição geral, fizeram uma noite memorável.
Na ilha das Rolas vale a pena ter a experiência de almoçar na praia Café, numa refeição feita à base de peixe, preparada pelos locais.


Em São Tomé, a capital, é imperdível ir à Chocolataria Diogo Vaz abastecermo-nos de chocolates e comermos um dos doces ali fabricados. Recomendamos o brownie.


Também é uma excelente opção comer no Paraíso dos Grelhados, uma esplanada na marginal da Baía Ana Chaves. Fomos à noite e a luz é muito ténue, mas o possível desconforto de ver o que estamos a comer é compensado pelo conforto da comida, espectacular, a entrar na nossa boca. Os pratos são soberbamente servidos e os preços foram dos mais baixos que pagamos. 


Por fim, vale a pena ver a comida na arte no Museu Nacional e no Centro Cultural CACAU - Casa das Artes, Criação, Ambiente e Utopias.






quarta-feira, 6 de março de 2019

Roça São João dos Angolares

A Roça São João dos Angolares, localiza-se na terra homónima, a meio caminho entre a capital, São Tomé, e o sul. Ainda que para os são-tomenses, tudo o que fica abaixo da capital seja considerado Sul.
Foi nesta antiga roça colonial, propriedade do cozinheiro e agitador cultural João Carlos Silva, que nasceu o programa televisivo, da sua autoria, Na Roça com os Tachos, em 2003, o qual o tornou famoso junto do público português.
Foi também nessa antiga roça, hoje dedicada ao turismo gastronómico, cultural e ambiental, que pernoitámos duas noites. Essa estadia proporcionou-nos viver todo o ambiente daquele espaço, designadamente os momentos das refeições, as quais, tal como o programa televisivo, exploram a gastronomia africana, em especial de São Tomé e Príncipe, com base em pratos confeccionados com ingredientes locais.
É no alpendre, com uma vista soberba, que decorre todo o palco gastronómico. É aí que fica tanto a cozinha como o espaço das refeições, em que ambos são divididos por uma bancada em madeira, como todo o mobiliário, preenchida por um conjunto de produtos locais, os quais tentamos descobrir a identidade.




Começar o dia naquele local é algo de mágico. O verde da envolvente e a beleza do mar, ao fundo, preenchem-nos. É com essa vista que saboreámos o pequeno-almoço, composto por diversas frutas (carambola, papaia, goiaba, banana, abacate, caja manga), bolo, pão, compota, sumo, chá e café pão.



Ao jantar, na primeira noite, optámos pelo menu de degustação. Já no segundo jantar ficámo-nos por um menu mais curto, composto por uma entrada, prato principal e sobremesa.
Assim, ao nos propormos ao menu de degustação, tivemos direito a um desfilar de sabores.
Começámos com um ceviche de peixe Andala, banana prata, erva mosquito, picante fura cueca, limão da China e gengibre fresco. Óptimo começo.



Sem mais demoras, porque fomos percebendo que o serviço era feito de forma impaciente e pouco polido, passámos para uma salada de papaia verde, coco, atum, raspas de abóbora, abacate, milho, pimenta, maçã e vinagrete.
Comida irrepreensível. 


O momento seguinte passou por beringela, batata doce com canela, queijo de cabra, ovas de espadarte, abóbora, quiabo e laranja.
Em apenas três pratos fizemos uma viagem por diversos ingredientes, com uma conjugação criativa e deliciosa. 
De seguida degustámos bolinho de mandioca, peixe espadarte fumado e flor amarela com manga.


Entretanto passámos para um prato composto por banana pão, com queijo e bacon, folha príncipe e bacalhau com bolinho de amendoim em farinha de mandioca e gota de picante.


Ainda no capítulo dos pequenos pratos, lábios crocantes de matabala, omelete com micócó, tomate recheado com bacon, queijo e erva mosquito. O sabor do lábio crocante de matabala assemelha-se a um coscorão.


O momento seguinte faz-se de uma simplicidade deliciosa. Manga assada no forno com flor de sal de Tavira, sumo de limão e maracujá. Servida ainda quente. Uma maravilha.


Prosseguimos com goiaba e jaca, prato que terminou a fase dos pequenos pratos.


Como prato principal foi-nos apresentado pargo, batata doce e chuchu com quiabos. Aqui a comida apresentou-se sem quaisquer artifícios, cozinhada de forma simples, a tirar partido da qualidade dos ingredientes.


No capítulo das sobremesas, iniciámos com doce de papaia verde com maracujá, queijo da ilha de São Jorge e compota de goiaba. Questiona-se a necessidade de inclusão de produtos que não são locais, mas à parte este aspecto pareceu-nos uma proposta interessante.


Para terminar, de uma forma concisa e saborosa, maçã e chocolate





A avaliação do desfile de sabores é muito positiva, designadamente a primeira fase, composta por pequenos pratos. Sentimos a experiência como extremamente enriquecedora para o nosso dicionário de sabores, o qual ficou muito mais preenchido e diversificado. Nota, igualmente, muito positiva para a criatividade e conjugação dos ingredientes.
Verifica-se algum cuidado no empratamento da sequência dos pequenos pratos, mas primam essencialmente pela simplicidade. A sofisticação concentra-se na panóplia de sabores, de texturas e na qualidade dos ingredientes.
Como ponto negativo, assinala-se o serviço, o qual em muitas circunstâncias revelou-se pouco cuidado e simpático. Em determinados  momentos foi mesmo rude (chegou a acontecer  os empregados dizerem-nos, de forma imperativa, "Coma!", "Tire isso (os talheres) daí!"). 
O facto de termos ficado por duas noites permitiu-nos perceber que a gestão do espaço, por aqueles dias a cargo dos filhos do cozinheiro João Carlos Silva, não prima pela simpatia e pela delicadeza.
Intuímos que se não há um tratamento cordial com os clientes não poderá haver também com os funcionários. Arriscamo-nos mesmo a dizer que há uma ausência de formação a quem ali trabalha, o que é lamentável, pois sem ela, que é a base, tudo é menos próspero.
Pelo percurso feito pelo cozinheiro e pela sua posição enquanto quase embaixador da cultura são-tomense, julgamos que todos tinham a ganhar com o melhoramento da componente da formação e relacionamento humano. Porque o resto, a beleza da envolvente e a qualidade e bela confecção dos ingredientes, já lá está.
Fica a nota.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

São Tomé e Príncipe

São Tomé e Príncipe come-se.
Tem o sabor da jaca. Doce e diferente.


As suas gentes têm a cor do café e fica-lhes bem o apelido Cacau.


 

A intensidade da sua natureza é forte como o café Arábica.


É um país pequeno como o safu.


E exótico como o sape sape.


Ritmado como o som da palavra carambola.


Junto ao Equador, apresenta um clima tropical, pelo que tem ananás, goiaba, manga e papaia.




As suas praias paradisíacas estão repletas de coqueiros.


A água dos cocos refresca-nos a boca e alegra-nos o coração.


Tem a intensidade do caril. Que ali, muitas vezes, se escreve e se diz "carril". Os locais carregam nos Rês. Como se carrega o caril, ou "carril", de coco, açafrão e cajá manga, ingredientes fundamentais na confecção do caril São Tomense.

 
Caril de camarão e búzios do mar

Açafrão (à esquerda)

São Tomé tem banana. Na verdade muitas e diversas. Há, entre outras, a prata, a ouro, a paraíso e a pão.


  

 

A banana pão come-se, frita ou assada, como acompanhamento.


Tal como a fruta pão, que, no seu estado puro, parece uma bola de futebol e cozinhada, assemelha-se à batata frita.
É com o óleo de palma, que se extrai das palmeiras, com o qual se frita a banana pão e a fruta pão.


Também tem batata. Doce. Como a sua gente.


Mandioca, milho, quiabo e matabala, um tubérculo de nome pouco amistoso, estão também sempre presentes.


Tem abacates, que são bons para chuchu, legume muito utilizado também como acompanhamento.

 


São Tomé é uma ilha. Pelo que está rodeada de mar. Logo tem peixe. Muito peixe.


Peixe Andala. Vermelho. Bonito. Atum. Peixe Azeite. Barracuda. E muitos outros.
Todos excelentes e, normalmente, grelhados.


Tem também santola e búzios do mar. E búzios da terra.
O peixe também se seca, para se fazer o Calulu, prato nacional.


Com o peixe também se faz os bolinhos de peixe, picantes.

 

Tem também micócó, erva que se diz ser afrodisíaca. Aspecto fundamental na terra dos Poetas do Amor, como uma nossa conterrânea apelidou os locais, pela sua facilidade de se deslumbrarem e se meterem com as mulheres.
E erva mosquito. Que se usa na cozinha, mas não serve para espantar os muitos mosquitos que se propagam com a humidade atmosférica existente.
Com a folha príncipe faz-se o chá. Na terra do café.
Na terra do Cacau, claro, que tem que haver chocolate. Cláudio Corallo e Diogo Vaz são nomes a considerar.


A considerar também é imergirmos na culinária deste país africano, a qual é marcada pela simplicidade e alta qualidade dos ingredientes.
Nos mercados, envoltos por a efervescência típica, encontramos todos os ingredientes necessários. Tudo ali é África. Desde a cor à confusão.



Contudo, ainda se encontra alguma herança portuguesa nas pastelarias, onde nos cruzámos com um pastel de nata. Um pouco diferente no sabor, mas inconfundível no aspecto.
Sem dúvida uma marca que deixámos no mundo.